DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

sábado, 20 de outubro de 2018

HOMEM É ACHADO EM CONDIÇÃO ANÁLOGA À ESCRAVIDÃO NA FAZENDA DE PAI DE EX-DEPUTADO NA BAHIA


Duas propriedades de Manoelito Argôlo, pai de Luiz Argôlo, em Entre Rios, foram fiscalizadas. Em uma delas, trabalhadores recebiam menos de um salário mínimo e valor devido a eles supera os R$ 150 mil.
CASEBRE ONDE HOMEM FOI ACHADO EM CONDIÇÕES ANÁLOGAS A DA ESCRAVIDÃO EM ENTRE RIOS, NA BAHIA — FOTO: DIVULGAÇÃO/MINISTÉRIO DO TRABALHO
Um homem de 48 anos foi encontrado em condições análogas à de escravidão e um grupo foi achado em situação irregular de trabalho, após fiscalização da Superintendência Regional do Trabalho na Bahia (SRTE-BA). A ação ocorreu em duas fazendas da cidade de Entre Rios, cidade a cerca de de 130 km de Salvador, na quarta-feira (17).

Conforme informações do Ministério Público do Trabalho (MPT) e da SRTE-BA, as propriedades rurais pertencem a Manoelito Argôlo dos Santos, ex-prefeito de Entre Rios, dono de diversas fazendas de gado na região, e pai do ex-deputado federal Luiz Argôlo, que cumpre pena em regime fechado após condenação na Operação Lava-Jato.
O G1 procurou o dono das fazendas mas não obteve retorno até a última atualização desta reportagem.
De acordo com o Ministério do Trabalho, o homem em condições análogas à de escravidão estava na Fazenda Riachão, em um casebre sem água, com gambiarras elétricas, manchas de fezes de morcegos nas paredes e banheiro contendo apenas um vaso sanitário sem descarga. Segundo a SRT, o homem estava no local com o filho, de 12 anos, que não trabalhava na fazenda, mas vivia no casebre.
No local, não havia armário para armazenar alimentos, o que obrigava os dois moradores a usar arames para pendurar a comida em sacos, como forma de proteger os alimentos de roedores.
O homem relatou aos auditores que teve que levar colchões e roupas de cama próprios, pois o empregador não os fornecia. Além disso, eles tinham que usar a água suja de um poço, armazenada em vasilhames de óleo reaproveitados.

OUTRA FAZENDA

Casebre tinha gambiarras e péssimas condições de moradia, apontaram os auditores fiscais do trabalho na Bahia — Foto: Divulgação/Ministério do Trabalho
Já na Fazenda Rancho Alegre, também de propriedade de Manoelito Argôlo, os trabalhadores recebiam menos que um salário mínimo pelas atividades, não tinham equipamentos de proteção e nenhum deles fazia exames médicos ocupacionais, segundo informou o SRTE. O valor total devido aos empregados supera os R$ 150 mil.
Também não era feito o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e ninguém tirava férias. Conforme relato dos trabalhadores, eles viviam cerca de 30 anos nessas condições de trabalho.
A SRT disse que uma reunião foi realizada na quinta-feira (18) com os representantes do empregador, que se recusou a regularizar os vínculos e realizar o pagamento dos trabalhadores. Diante da situação, será ajuizada ação civil pública em face do empregador e ele também deverá ser responsabilizado por meio de ação penal.
Conforme a superitendência, as propriedades têm pista de pouso e hangar para aviões. Ao lado da casa da família, na sede da fazenda Rancho Alegre, há um grande parque de exposições, que leva o nome do proprietário, Mnaoelito Argôlo.
Outro fato que chamou a atenção dos fiscais foi que havia centenas de filtros de água de barro amontoados na varanda de uma casa da fazenda. Alguns estavam quebrados, mas muitos permaneciam dentro de caixas. A equipe documentou o fato e comunicou o caso ao Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) para que sejam apurados a origem e o destino do material encontrado.
Auditores fiscais do trabalho relataram que casebre não tinha água, nem local para moradores guardarem comidas e roupas — Foto: Divulgação/Ministério do Trabalho
G1


PROMOVIDA POR PREFEITURA, 'PROVA DA CACHAÇA' TERMINA COM PARTICIPANTES EM COMA ALCOÓLICO

Uma festa promovida por uma prefeitura no interior do Rio Grande do Norte terminou com quatro pessoas hospitalizadas por excesso de consumo de álcool. É que uma das provas da gincana promovida pela Secretaria de Esporte, Lazer e Cultura de Rafael Fernandes dentro da semana de comemorações pela emancipação do município da região do Alto Oeste potiguar, era a prova da cachaça, vencida por quem conseguisse beber mais. Dois participantes tiveram coma alcoólico.
O prefeito da cidade, Bruno Anastácio, confirmou ao G1 que o evento é da Prefeitura, mas declarou que vai apurar a responsabilidade pela realização dessa e de outra prova: uma corrida de motocicletas que exigia apenas que os participantes tivessem mais de 16 anos. Pelo código de trânsito, só podem pilotar aqueles com mais de 18 anos habilitados pelo Detran.
"A gente está apurando toda essa situação. No momento, estamos acompanhando o atendimento a essas pessoas que estão hospitalizadas. Estamos empenhados primeiro na saúde deles", disse o prefeito, que confirmou o internamento de duas pessoas.
Quatro homens, todos maiores de idade, foram levados ao Hospital Regional de Pau dos Ferros, município localizado na mesma região do estado. De acordo com a direção da unidade, dois pacientes estão entubados na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) em coma alcoólico e o estado de saúde deles é estável. Outro permanece internado, orientado, e pode receber alta ainda nesta sexta-feira (19). O outro já foi liberado mais cedo.
O prefeito confirmou ao G1 que a gincana faz parte da programação do aniversário de 55 anos de emancipação do município, que ocorre ao longo de toda a semana, mas questionado sobre as provas, especificamente, diz que vai apurar responsabilidades. "Eu ainda não sei exatamente como foi promovido", disse. Bruno Anastácio ainda declarou que a prefeitura vai emitir uma nota para explicar o caso.
A gincana foi divulgada no site da prefeitura e nos perfis oficiais nas redes sociais. As inscrições para as provas aconteceram na Secretaria de Assistência Social de Rafael Fernandes.

Segundo pessoas da cidade, duplas participavam da corrida de motos, que tinha um circuito ao redor da praça central do município. Eles percorriam pequenas distâncias e precisavam parar o veículo para realizar uma tarefa e continuar o percurso, intercalando até o local de chegada.
CHICO SABE TUDO

sexta-feira, 19 de outubro de 2018

JOVEM ENVIA VÍDEO ÍNTIMO E MULHER COBRA 3 MIL E QUINHENTOS REAIS PARA NÃO DIVULGÁ-LO


A suspeita pedia R$ 3,5 mil para não divulgar a gravação ao vivo e fotos comprometedoras do rapaz
Um jovem de 23 anos registrou um boletim de ocorrência nessa quarta-feira (17) afirmando estar sendo chantageado por uma mulher que ameaça divulgar um vídeo íntimo dele.

O rapaz, morador do Bairro Carumbé, em Cuiabá, afirmou que conheceu a suspeita no Facebook e começou um relacionamento virtual com ela.
Conforme o boletim de ocorrência, depois de um tempo ele fez uma gravação comprometedora ao vivo com ela e, agora, está sendo chantageado.
Segundo a vítima, a mulher, a princípio, pediu que ele depositasse R$ 3,5 mil para ela.
Como ele disse que não tinha o valor, ela teria baixado para R$ 600, afirmando que, se ele não realizasse o depósito, divulgaria o vídeo e fotos comprometedoras dele, nas redes sociais.
O caso foi registrado na 1ª delegacia da Polícia Civil, na Prainha, Centro de Cuiabá, como ameaça e extorsão.
A Gerência de Combate a Crimes de Alta Tecnologia (GECAT) deve abrir um inquérito.
O Livre


18ª COOPIN/DT DE CHORROCHÓ DIVULGA PLANO DE ACAO DE OUTUBRO/18.


* Operacão: "Saturacão."

* OBJETIVO: COMBATE AOS FURTOS/ROUBOS/TRAFICO DE DROGAS E ARMAS DE FOGO NAS ESTRADAS.

* Data: 18.10.2018.
* Horas: 16:00h as 18:15h.

*Equipe: 01 DPC, 01 IPC 01 CB/PM e 02 SD/PM.
* 02 Vtr.

* Locais de atacões: BR 116 altura do km 32, zona limítrofe entre os municípios de Chorrochó/Abaré, localidade conhecida por "Fogão a Lenha".

* Alvos: Abordagens a pessoas e veículos, em torno de 8 veículos e 13 pessoas abordadas. Também de suma importância a presença da policia como um todo nas estradas onde os motoristas, cidadãos de bem q trafegam sentem.se seguros e sinalizam p a policia, cooperando c o trabalho, inclusive parabenizando.

* Termino Sem Alteracões.



Fonte: DPC Lucynalva Freire de Carvalho Pires.















quinta-feira, 18 de outubro de 2018

MATÉRIA QUE ENVOLVE MACURURÉ ENTRE AS CIDADES ENVOLVIDAS EM FRAUDES DA BOLSA FAMÍLIA É DE 2016; MESMO ASSIM CAUSA PERPLEXIDADE AOS MACURUREENSES; 23 EMPRESÁRIOS E 238 SERVIDORES DE MACURURÉ ESTARIAM ENVOLVIDOS, SEGUNDO A MATÉRIA; VEJA VÍDEO.

A Bahia lidera o ranking de repasses suspeitos no Bolsa Família; Macururé no norte do estado está entre as cidades do sertão baiano.
O estado da Bahia registrou irregularidades no repasse de R$ 642.832.641 a beneficiários do Bolsa Família, segundo investigação do Ministério Público Federal (MPF) com base em dados referentes a 2013 e 2014.
O valor é o maior entre as unidades da federação em que o MPF encontrou suspeitas de fraude nos benefícios. De acordo com a investigação, dos cerca de R$ 6,8 bilhões repassados a beneficiários do Bolsa Família na Bahia, R$ 642.832.641 são destinados irregularmente a pessoas que não têm direito, como servidores públicos, doadores de campanha, empresários e pessoas que já morreram.
A Bahia lidera o ranking de repasses suspeitos no Bolsa Família, seguida por São Paulo, Pernambuco, Maranhão, Ceará e Minas Gerais, que somam R$ 4 milhões em irregularidades no programa. Em todo o país, segundo o MPF, cerca de R$ 2,5 bilhões do Bolsa Família estão sob suspeita de fraude, envolvendo 1,4 milhão de beneficiários.
No levantamento por cidades, Salvador registra os maiores valores de suspeita de fraude no programa social, seguida por Brasília, João Pessoa, Manaus e Recife.
Agência Brasil

MACURURÉ: IDOSO É PRESO SUSPEITO DE ESTUPRAR NETA DE 13 ANOS EM SALGADO DO MELÃO; ABUSOS ACONTECIAM HÁ TRÊS ANOS


Polícia prendeu o idoso após busca na residência do suspeito, localizada no povoado Salgado do Melão em Macururé, no norte do estado.
Um idoso de 60 anos foi preso suspeito de estuprar a neta de 13 anos no povoado de Salgado do Melão, em Macururé, no norte da Bahia, na tarde de quarta-feira (17). A prisão foi feita por policiais militares do 20ª Batalhão. Segundo informações da Polícia Militar, a vítima já era abusada pelo avô há três anos

De acordo com a polícia, depois de informada da denúncia, equipes fizeram rondas pela região para encontrar o suspeito, que estaria em uma motocicleta no centro de Macururé, mas ele não foi encontrado.

Em seguida, com a continuação das buscas, a PM prendeu o idoso dentro de casa, no povoado Salgado do Melão. O suspeito foi levado para a delegacia local.

A POLÍCIA CIVIL INVESTIGA O CASO.




quarta-feira, 17 de outubro de 2018

HOMEM É VELADO EM BAR, COM DIREITO A BANDA DE FORRÓ E BEBIDAS


Foram três dias de velório com festa e convidados animados. Homenagem organizada pela família foi encerrada com cortejo carnavalesco em Porto Velho.
Um homem foi velado em um bar, mas o que parece uma das histórias do escritor Jorge Amado, na verdade aconteceu na área central de Porto Velho. Ademir Rapo da Costa, que preferia ser chamado de ‘Animal’, em analogia ao jogador Edmundo, morreu na última semana, aos 56 anos, vítima de câncer na próstata. Segundo a família, era um homem animado que adorava carnaval e era torcedor fiel do Flamengo.

A morte de uma figura tão conhecida no local deixou menos alegre a comunidade do bairro Mato Grosso, onde ‘Ademir Animal’ morou desde a infância. Contudo, a tristeza pela ausência do morador só pôde ser sentida nesta segunda-feira (15), depois do velório que durou três dias e que, a exemplo do personagem Quincas Berro d’Água, de Jorge Amado, foi realizado em um bar, ao som de uma banda de forró e com muita cerveja.
“Ele não gostava de tristeza, sempre que um conhecido morria, ele insistia para que o velório fosse regado a música e bebida”, explicou Anderson Dermani, sobrinho de ‘Adenir Animal’ e um dos incentivadores da homenagem. “O velório começou na sexta-feira (12) e só terminou na madrugada de domingo”, acrescentou. O enterro também foi acompanhado de música e futebol. “Fizemos um cortejo bem animado, com direito a parada no campo da AFA, onde ele costumava jogar bola”, afirma Anderson.
Ademir Aninal’, de bermuda laranja no centro da foto, foi homenageado em velório por amigos e familiares — Foto: Anderson Dermani/arquivo pessoal
Além do velório acontecer no bar que ‘Ademir Animal’ costumava frequentar, localizado a poucos metros da casa onde morava, ele foi velado ao som de uma banda de forró que, segundo os sobrinhos Adriano e Adson Tejas, foi contratada por amigos de Ademir para tocar no momento fúnebre e chegou a entoar o hino do Flamengo. O velório teve início na casa da família, depois de dois dias, na noite de sábado para domingo, o corpo foi levado para o bar.
A semelhança com a história escrita por Jorge Amado é coincidência, mas quem conhece a obra liga a ficção com a realidade, uma vez que a vigília do corpo de Quincas Berro d’Água também foi regada a bebidas, até que os amigos dele resolveram levar o corpo para um passeio, passando pelos lugares frequentados por Quincas em vida.
No final, como fez o personagem de Jorge Amado, ‘Ademir Animal’ deixou uma reflexão sobre a morte que, segundo a família dele, deve render boas e longas conversas em mesas de bar. “As mensagens dele eram sempre alegres e descontraídas”, disse um sobrinho.
G1


SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS