DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

EX-PREFEITO É PRESO NA BAHIA; DESVIO DE VERBA ERA FEITO NA BOCA DO CAIXA, DIZ PROMOTOR

Operação também encontrou 'notas fiscais fictícias' usadas para desvio.Ex-prefeito de Dolcinópolis (SP) foi preso em uma casa na Bahia.

O Ministério Público Estadual de Estrela d’Oeste (SP) identificou durante as investigações na Operação Catatau, que terminou com a prisão do ex-prefeito de Dolcinópolis (SP) nesta terça-feira (21), que eram feitos saques na boca do caixa de contas da prefeitura, o que para o MP não é comum.
“De acordo com a documentação apresentada, começamos a identificar também a possibilidade da realização de saques diretamente na boca do caixa de uma das contas da prefeitura de Dolcinópolis, o que para nós não é comum, geralmente os pagamentos são por transferências, depósitos, cheques, e há indícios de levantamento na boca do caixa em espécie por agentes públicos da prefeitura”, afirma o promotor Cleiton Luís da Silva.
José Luiz Inácio de Azevedo foi preso em casa, em Porto Seguro (BA). O ex-prefeito de Dolcinópolis é investigado por desviar recursos públicos. O ex-prefeito mantem negócios em Porto Seguro, onde é dono de um restaurante, uma loja de conveniência e um lava rápido na cidade. “Foi possível localizar com ajuda da Polícia Federal da Bahia que ele estava na cidade e tinha estabelecimentos comerciais, provavelmente aproveitando o dinheiro desviado da prefeitura”, diz o delegado da Polícia Federal Cristiano Pádua da Silva.
Casa onde ex-prefeito morava na Bahia (Foto: Divulgação/Polícia Federal)Casa onde ex-prefeito morava na Bahia
(Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Ele se mudou para a Bahia, no fim do ano passado, com a mulher, o filho e a empregada da família. Um assessor do ex-prefeito, que estava morando na antiga casa dele no município paulista, foi levado para a delegacia. A Polícia Federal cumpriu dez mandados de condução coercitiva na região noroeste paulista.
Os policiais federais de Jales (SP) chegaram cedo a Dolcinópolis, que tem pouco mais de dois mil moradores. Os agentes recolheram documentos na casa do ex-prefeito, na prefeitura e numa chácara que, segundo a polícia, também pertence a José Luiz Inácio de Azevedo.
Além de Dolcinópolis, outros mandados de busca e apreensão foram cumpridos em mais quatro cidades da região. As investigações começaram depois que o Ministério Público recebeu uma denúncia de desvio de verbas.
'NOTAS FISCAIS FICTÍCIAS'
“Recebemos da prefeitura de Dolcinópolis um grande número de notas fiscais, basicamente da segunda quinzena de dezembro e focamos a atenção nos dias 29 e 30 de dezembro, que coincidiram com recebimento de FPM e recursos da repatriação do governo federal e notamos ali um número grande de notas fiscais emitidas por supostos fornecedores, de oficinas mecânicas e outros fornecedores e a partir disso começamos investigar, eventual emissão de notas fictícias para justificar o desvio de recursos da repatriação e do FPM”, diz o promotor.
Um lavador de carros também foi preso. Ele é suspeito de agir como ‘laranja’, nas fraudes do ex-prefeito. Segundo as investigações, o homem , que mora em um bairro simples,  aparece como um dos donos de uma construtora e de uma empresa de consultoria, que prestavam serviços para prefeitura, durante o mandato do ex-prefeito.
“Ele seria um laranja, porque uma das empresas que está no nome dele tem capital social de mais de R$ 1 milhão e a função efetiva dele e encerador de carro de um posto de combustível”, diz o delegado.
O prefeito e os aliados nos supostos esquemas de corrupção podem responder por peculato, que é apropriação indevida de dinheiro público, associação criminosa e falsificação de documentos. A polícia pode pedir que  o ex-prefeito fique na cadeia até o julgamento do caso e ainda  o bloqueio de bens dele.
O ex-prefeito será conduzido por policiais federais em voo de Porto Seguro até São José do Rio Preto (SP) de onde será escoltado em viatura até Jales para ser ouvido pelas autoridades responsáveis pelas investigações. Ele deve chegar ao interior paulista na noite desta terça-feira e, posteriormente, será conduzido a presídio da região de Jales onde permanecerá à disposição da Justiça Estadual.
O CASO
A Polícia Federal de Jales em conjunto com o Ministério Público Estadual de Estrela d’Oeste (SP) deflagraram nesta terça-feira (21) a Operação Catatau, que investiga suspeita de desvios de recursos públicos durante gestão do ex-prefeito de Dolcinópolis (SP).
Segundo as investigações, milhões de reais em pagamentos suspeitos, realizados durante sua gestão, estão sendo investigados. Consultorias, compras, serviços, convênios e obras com pagamentos suspeitos estão sendo investigados. 
A Justiça de Estrela d’Oeste expediu dois mandados de prisão temporária, 10 conduções coercitivas e 11 mandados de busca e apreensão que foram cumpridos nas cidades de Porto Seguro, Dolcinópolis, distrito de Fátima Paulista, Cardoso (SP), Pontalinda (SP) e Jales. Os conduzidos foram levados até a sede da PF de Jales  para prestar esclarecimentos.
G1/BAHIA
Postar um comentário

SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS