DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

PEIXES SÃO ENCONTRADOS MORTOS EM LAGOA DE POVOADO DE PETROLINA, PE

Ibama diz que foram mortos, cerca de um milhão, entre peixes e alevinos. Cemafauna deve retornar ao local para fazer estudo aprofundado.
Um caso está deixando preocupados moradores da Zona Rural de Petrolina, no Sertão de Pernambuco. No povoado de Caatinguinha dois, há quase um mês, peixes são encontrados mortos na Lagoa do Congo. Segundo um relatório preliminar do Ibama, o a mortandade já chega a quase um milhão de peixes. Por isso, o Ministério Público Federal (MPF) foi acionado e montou uma força-tarefa para tratar do assunto com Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Agência Municipal de Meio Ambiente, Secretaria de Saúde de Petrolina e a Universidade do Vale do São Francisco (Univasf).
O agricultor Gilvan da Silva mora no povoado de Caatinguinha. Ele conta que há um mês os peixes começaram a morrer e que houve uma grande quantidade de peixes mortos às margens da Lagoa do Congo. “Os peixes estavam morrendo e eu achei uma coisa estranha. Não sabíamos se é o oxigênio que é pouco na água ou se foi sal demais. Ficamos muito triste, era demais a quantidade de peixes mortos. Esse riacho vem água do N-4 e a gente não sabe se veio algum produto na água, mas deixou todos surpresos”, comenta.
Água da lagoa passará por estudos do Cemafauna da Univasf (Foto: Vanderlei Pinheiro/ Ibama)Água da lagoa passará por estudos do Cemafauna
da Univasf (Foto: Vanderlei Pinheiro/ Ibama)
De acordo com o analista ambiental do Ibama, Vanderlei Pinheiro, foram cerca de um milhão entre peixes e alevinos, de dez espécies diferentes. “Quando eu cheguei no dia 22 de agosto o cenário não era tão grave quanto no dia que recebi a denúncia que foi no dia 20. Pelas fotos que foram tiradas, estava menos agressivo na segunda-feira. Mas a quantidade foi significativa. Morreram várias espécies inclusive algumas bastante resistentes a falta de oxigênio”
A Univasf através do Centro de Conservação e Manejo da Fauna da Caatinga (Cemafauna) estudou a área e concluiu que as causas mais prováveis para a morte dos peixes são as baixas concentrações de oxigênio da água, provocadas pelo aumento da temperatura e concentração de sais dissolvidos a partir do mês de agosto.
Estas conclusões, porém, ainda precisam ser confirmadas a partir de um estudo mais aprofundado. Por isso, equipes do Cemafauna devem retornar ao local.“Estamos organizando uma equipe para fazer uma vistoria na região para verificar o que pode ter causado a mortandade dos peixes dessa localidade. São técnicos treinados e que vão vir com equipamentos para fazer uma análise de água e entrevista com a população ribeirinha para a gente fechar um diagnóstico”, explica o analista ambiental do Cemafauna da Univasf, Gian Carlos Arraes.
G1/PETROLINA
Postar um comentário

SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS