DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

DETENTAS COMEMORAM ANIVERSÁRIO DO PCC COM FESTA DO PÓ DENTRO DO PRESÍDIO

Por Redação Bocão News (@bocaonews) | Fotos: Reprodução
Uma das maiores facções criminosas do país, o Primeiro Comando da Capital, conhecida como PCC, completou 22 anos, que foi celebrado com uma festa do pó. No entanto, a comemoração aconteceu dentro de um presídio feminino de São Paulo. 
Nos vídeos obtidos pela reportagem do Bocão News, as detentas aparecem celebrando a data consumindo drogas e muitas outras regalias. Em algumas imagens, uma interna organiza a distribuição de cocaína e maconha para as presidiárias.

VOCÊ SABIA QUE UM VÍDEO REGISTROU PASSAGEM DE OBJETO MISTERIOSO NO CÉU DOS ESTADOS UNIDOS?





Sertão Mania
Com quase 3 milhões de visualizações, muitos acreditam que as imagens tenham realmente registrado um disco voador. Uma dessas pessoas é Barry Baker. "Eu estava lá, foi incrível! Senti algo, uma energia no ar, um cheiro estranho, um barulho longe... e então ele simplesmente desapareceu. Estou convencido!! Temos óvnis em Miami", opinou ele no Facebook. 

"O foguete Atlas V foi lançado do Cabo Canaveral e deu um show no céu de Miami. O foguete, cuja altura equivale a um prédio de 21 andares, está colocando um satélite da Marinha em órbita", escreveu Abhishek Moyade na rede social.A informações foi questionada por outro usuário. "Lançamento de foguete? Paralelo à superfície da Terra? Espero que não!", rebateu Wayne Gait-Smith. 
Entretanto, outro internauta lembrou que o mesmo óvni já havia sido registrado nos céus da Rússia, nos anos 1920, e, mais recentemente, em janeiro de 2013, na China.  

GOVERNO CONFIRMA QUE BAHIA NÃO ADOTARÁ HORÁRIO DE VERÃO

BAHIA NOTÍCIAS
Apesar da pressão do Trade Turístico e de entidades empresariais, o governo decidiu manter a Bahia fora do horário de verão neste ano. Os relógios serão adiantados em uma hora no dia 18 de outubro apenas nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, e empresários do estado alegavam que seria bom para a economia local a equiparação com o principal centro financeiro do país, São Paulo. A população, contudo, não concordava. “Pesquisas internas” teriam apontado que 72% dos baianos era contra a medida. "As alegações de sincronia de horários com o centro financeiro do país não fazem sentido num mundo globalizado onde os países mantém relações comerciantes e financeiras uns com os outros, mesmo tendo fusos horários diferentes", alegou o secretário de Comunicação do estado, André Curvelo. Mesmo assim, entidades empresariais não desistiram de reverter a decisão. O presidente do Fórum Empresarial, Victor Ventin,  teria entregue ao governador e aos secretários de Turismo, Nelson Pelegrino, e de Desenvolvimento Econômico, Jorge Hereda, um documento com 19 razões que sustentariam o pedido do setor produtivo. Uma das principais questões apontadas é que a posição contrária da população é fruto do desconhecimento. "Em um dos 19 pontos que apontamos mostramos que o receio das pessoas refere-se à sensação de maior insegurança durante a manhã onde estaria escuro, mas pesquisas também mostram que o nível de luminosidade no período é igual ao do mês de julho, assim como aponta levantamento do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania de que a maioria dos assaltos  ocorrem mais no final do dia, justamente quando o trabalhador poderia sair com mais luminosidade do trabalho", defende Ventin. Mesmo assim, o governo teria se mantido firme na decisão. "O governo entende como legítima a cobrança das classes empresariais, assim como das classes trabalhadoras que, por meio dos sindicatos, manifestaram-se, por outro lado, contra a adoção do horário de verão", justificou Curvelo.

COM O SALÁRIO MÍNIMO DE 2016, FOLHA DE PREFEITURAS BAIANAS DEVE AUMENTAR EM R$270 MILHÕES

BAHIA NOTÍCIAS
O aumento do salário mínimo em 2016, previsto para R$ 865, deve onerar a folha de pagamentos das prefeituras baianas em cerca de R$ 270 milhões em encargos. A estimativa é da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Em todo país, o gasto será de R$ 2,2 bilhões, o que envolve encargos patronais, 13° salário e férias. Só de encargos trabalhistas a previsão é de R$ 305,6 milhões por ano. De acordo com a CNM, o gasto pode ser ainda maior. No cálculo, não estão incluídos o pagamento de servidores municipais aposentados e as contratações feitas de 2013 até a presente data. A estimativa da CNM considera a quantidade de servidores que recebem até um salário mínimo e meio. A confederação explica que o impacto ocorre porque todas as aposentadorias e benefícios sociais têm como piso o salário mínimo. Prefeituras de menor porte podem ser as mais impactadas por conta de contratarem número expressivo de funcionários com até um e meio salário mínimo. 

C.P.I. DA PETROBRAS MIRA MARIO NEGROMONTE


Por Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)
Alvo da Operação Lava Jato, o conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios na Bahia, Mário Negromonte é suspeito de ter operado um esquema que renderia vantagens econômicas de R$ 25 milhões a serem repartidos entre partidos políticos. A investigação corre no Superior Tribunal de Justiça (STJ) desde maio. O ex-ministro das Cidades é o novo alvo da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras.
O novo pedido de convocação foi apresentado pelo deputado Ivan Valente (Psol-SP). No documento, que já foi protocolado na presidência da comissão, Valente argumenta que Negromonte deve explicar denúncias de que partidos políticos se beneficiavam de propina originada do esquema de corrupção na Petrobras para financiar campanhas, de acordo com informações publicadas pela coluna Satélite, do jornal Correio.
Negromonte,é suspeito de conduzir tratativas enquanto ministro para implementar no Brasil um sistema nacional de rastreamento de veículos pelo Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). As suspeitas partiram após delação do doleiro Alberto Youssef, que relatou que ocorreram ao menos três reuniões para tratar do assunto. De acordo com o doleiro, os valores seriam repartidos entre PP e PT, "eis que no Ministério havia representantes dos dois partidos".
Ele é ainda suspeito de ter negociado com o doleiro e um sindicato da área qual empresa seria responsável pelo sistema nacional. Mário Negromonte ficou à frente do Ministério das Cidades entre 1º de janeiro de 2011 e 2 de fevereiro de 2012, época em que estava sendo discutida a implantação de resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que obrigava a instalação de radares antifurto em todos os veículos novos.
Investigadores apontam ainda que Youssef relatou que Negromonte foi autor de projeto de lei para determinar que todos os carros saíssem de fábrica com rastreadores, quando exerceu mandato de deputado na Câmara. O doleiro disse acreditar que desde a apresentação do projeto de lei o ex-ministro já estava "imaginando o futuro acordo com as empresas de rastreamento". O próprio Youssef disse considerar o negócio atrativo e admitiu ter investido em uma empresa do segmento.

O gabinete do político recebeu agentes da Polícia Federal no dia 14 de julho deste ano.  A casa do ex-ministro também foi alvo da operação. 

MESMO COM SECA, MORADORES DO SERTÃO DE PERNAMBUCO SÃO CONTRA TRANSPOSIÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO

Escassez fez com que plantações se perdessem e faltasse água para beber. Em Cabrobó, a água do carro-pipa é vendida por R$ 60.
g1/pe
A madeira queima sob o fogão a lenha de uma casa simples, na Fazenda Umbuzeiro, localizada a cerca de 15 quilômetros do município de Cabrobó, no Sertão de Pernambuco. Na panela de barro, a agricultora Francisca Maria da Silva, de 52 anos, cozinha meio quilo de feijão, que será misturado com arroz. O almoço, um prato tipicamente nordestino conhecido como ‘baião’, é pouco para servir as cinco pessoas da família. Mas, alimentar todos não é o que preocupa a produtora rural. O principal problema enfrentado por Francisca da Silva e demais moradores da região é a seca que tanto castiga o Sertão.
Primeira estação do eixo norte da transposição do Rio São Francisco (Foto: Taisa Alencar / G1)Primeira estação do eixo norte da transposição do
Rio São Francisco (Foto: Taisa Alencar/G1)
O projeto de Integração do Rio São Francisco, que tem a proposta de levar água para cerca de 12 milhões de pessoas em 4 estados, poderia amenizar o problema. No entanto, a obra, que já está com três anos de atraso, sofreu um novo adiamento e, agora, deverá ser concluída só em 2017.
Mas, os moradores da região de Cabrobó dizem que, mesmo com a obra, a falta de chuva deixaria baixo o leito do rio, afetando o abastecimento das cidades. A Agência Nacional de Águas (ANA) contexta e diz que o projeto pode captar 26,4 metros cúbicos por segundo, mesmo em períodos muito secos, o que representa 1,4% da vazão média do rio.
A água utilizada para os trabalhos doméstico vem da cisterna (Foto: Taisa Alencar / G1)A água utilizada para os trabalhos doméstico vem da
cisterna (Foto: Taisa Alencar/G1)
Enquanto isso, a água utilizada por Francisca para fazer o almoço e demais trabalhos domésticos vem de uma cisterna, construída ao lado da casa. O reservatório é abastecido mensalmente por um carro pipa, pago pelo governo estadual. No entanto, a quantidade também é pouca. A água chegou há mais de 15 dias e não deve durar até o final do mês. Para lavar as louças e tomar banho, é tudo regrado. Antes é preciso colocar em um balde, porque não tem água encanada.
Para Francisca, natural de Cabrobó, essa cena não é atípica. Desde cedo ela convive com a seca. Foi nesse cenário que criou os sete filhos, que hoje não moram mais com ela. Após a morte da mãe, precisou mudar-se para a Fazenda Umbuzeiro para cuidar do pai, Ângelo Antônio da Silva, um aposentado de 86 anos e três sobrinhas.
Para a agricultora, a situação ficou ainda mais difícil. “A seca aqui está grande. Depois que o riacho secou, você não vê uma gota de água. Os bichos estão morrendo de fome e de sede, porque não tem água, nem pasto”, conta.
Francisca se refere às 20 cabras e bodes que o pai, Ângelo Antônio, insiste em criar. A água da cisterna, além de ser utilizada para beber, cozinhar, lavar roupa e tomar banho, também mata a sede dos animais. “É sofrido. As cabras não tem água para beber. Só posso colocar uma vez por dia. Eles bebem hoje e, depois, só amanhã. Porque, se não, quem fica com sede somos nós. Muita gente que tinha bicho aqui teve que vender, mas tem gente que não quer comprar porque estão magros demais. Muita criação por aí está morrendo. O pior é que meu pai não tem condições de criar. Não tem dinheiro para comprar ração”, relata Francisca.
Plantação de milho secou por falta de água (Foto: Taisa Alencar / G1)Plantação de milho secou por falta de água
(Foto: Taisa Alencar / G1)
Toda a renda da família vem da aposentadoria do pai e dos trabalhos que ela ganha como agricultora trabalhando para outras pessoas em plantações de cebola, milho e feijão. O único cultivo que foi desenvolvido na propriedade rural, uma plantação de milho, secou por falta de água e toda a produção foi perdida.
E quando o carro-pipa não chega, a situação é ainda pior. Os moradores precisam tirar dinheiro do próprio bolso. “Nunca vi uma seca tão triste como essa. A última vez que choveu bem foi em 2004. Quando não tem água, a gente dá um jeito de comprar porque não vamos morrer de sede”, disse.
Com a esperança de dias melhores, Francisca diz que só a chuva amenizaria as condições da população e destaca que não acredita nos benefícios da obra da Integração do Rio São Francisco. “Se chovesse, eu dizia que tinha como melhorar. Agora, sem chuva, eu digo que não melhora nada, porque o rio está seco. Se tivesse água no rio, ia ser bacana essa obra, mas não tem. Como é que vai soltar água aqui?”, questiona.
Situação que se repete
A poucos metros da casa de Francisca, quem também passa por dificuldades é a agricultora Maria Lucineide Parente, de 55 anos. A produtora rural trabalha com o marido, Expedito Vieira de Brito, de 67 anos, que tem uma plantação de cebola, em uma área próxima ao rio. A água na cisterna foi comprada. “Uma seca como essa eu vi faz uns 30 anos. Agora mesmo, o pipa não veio e eu tive que comprar uma carrada de água que custou R$ 60”, disse.
Na casa da produtora, a cisterna é usada apenas para trabalhos domésticos, cozinhar, beber e tomar banho. O pouco que tem, não sobra mais nem para os animais. “Até lavar roupa, antes eu lavava aqui, mas estou indo lavar no ‘Cigano’, onde tem água. E, para o gado beber, tem um poço, a gente faz uma cacimba e pega o resto de água que tem. É a única forma de não deixar os bichos morrendo de sede”, conta Maria Lucineide.
Moradores dos projetos irrigados também reclamam da seca (Foto: Taisa Alencar / G1)Moradores dos projetos irrigados também
reclamam da seca (Foto: Taisa Alencar / G1)
Projetos irrigados também sofrem com a seca
Os moradores dos projetos de irrigação que usam a água do Rio São Francisco nas plantações também sofrem com a seca. O podador Pedro Joaquim de Oliveira, de 56 anos, mora em um desses projetos, no Brígida. Para ele, o problema está em todos os lugares.
“Está ruim. Onde a gente mora tem um pouquinho de água e dá para ir levando. Mas o pessoal da região está sofrendo demais. Não sei nem se essa transposição vai ser boa para a gente, porque o rio está judiado demais. Tem que chover. Está tudo seco. Falta água e comida. Os bichos tudo berrando de fome e sede”, destaca o podador.
Enquanto a situação não muda, a agricultora Francisca da Silva procura formas de amenizar tanto sofrimento. Com saudade dos filhos, ela espalhou fotos da família por toda a casa, tentando diminuir a dor causada pela distância. “A vontade é ir embora daqui, ficar perto dos meus filhos. Mas, em todo lugar está assim. Não adianta sair. Dilma quer tirar a água do Rio São Francisco e vai morrer todo mundo de sede e fome”, desabafa.
A produtora rural Maria Lucineide Parente fala em fé.  “Tem que ter fé em Deus e acreditar que vai chover. Pedir a Deus para mandar chuva para esse nosso Sertão. Tem que ter compaixão e mandar chuva, porque a cada dia que passa a seca fica pior”, argumenta.  Ela diz que é contra a obra da Integração do Rio São Francisco. “Eu acho, e todo mundo está achando, que tirar essa água vai ficar ainda pior para nós, porque eu acho que o rio vai secar mais. Ele já está muito seco, mas querem tirar, vamos fazer o que?”, argumenta.
Revitalização
Contrariando o posicionamento dos moradores que não são a favor da transposição, um Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do Ministério da Integração Nacional (MI), diz que foram realizados diversos estudos e avaliações técnicas em conformidade com as diretrizes do Plano Decenal da Bacia Hidrográfica da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, concluído pela ANA.
Ferramentas de simulação utilizadas pela ANA indicaram que o projeto pode captar 26,4 metros cúbicos por segundo, mesmo em períodos muito secos, o que representa 1,4% da vazão média do rio. Já na cheia, a captação pode chegar a 127 metros cúbicos por segundo sem prejudicar o rio.

Ainda de acordo com o Ministério, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), já foram investidos uma quantia de R$ 1,7 bilhão em ações de revitalização no rio. O valor total deve chegar a R$ 2,5 bilhões.
Canal do Eixo Norte em Cabrobó, no Sertão de Pernambuco (Foto: Taisa Alencar/G1)Canal do Eixo Norte em Cabrobó, no Sertão
de Pernambuco (Foto: Taisa Alencar/G1)
Transposição
O projeto de Integração do Rio São Francisco irá beneficiar a população de 390 municípios nos Estados de Pernambuco, Ceará, Paraíba e Rio Grande do Norte. A obra é composta por 477 quilômetros de extensão, organizados em dois eixos de transferência de água. O Norte, com 260 km e o Leste com 217 km. Dos canais, a água seguirá para reservatórios que irão abastecer as comunidades. Nas proximidades desses eixos outras 296 localidades também devem ser contempladas com sistemas simplificados de distribuição de água. O Governo Federal estima que até a conclusão do projeto serão investidos R$ 8,2 bilhões.

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

PREFEITO DE UAUÁ: É UM DOS INVESTIGADOS PELA ‘ÁGUIA DE HAIA’ E QUESTIONA DECISÃO DA JUSTIÇA

BAHIA NOTÍCIAS
O prefeito Olímpio Cardoso Filho (PDT), gestor da cidade de Uauá, no Sertão do São Francisco, um dos 10 políticos que permanecem com os bens bloqueados pela justiça após a Operação “Águia de Haia, encaminhou nota na tarde desta quinta-feira (3) ao Bahia Notícias informando não ser correta a acusação de irregularidade. Segundo o texto, o administrador afirmou que “a empresa KBM INFORMATICA (Kells B. Mendes ME) não recebeu nenhum centavo da prefeitura, visto que o Secretário de Educação, ao saber que a empresa possuía processos na justiça”, cancelou a licitação. Ainda de acordo com a prefeitura, a procuradoria do município já solicitou o desbloqueio das contas do prefeito mas, devido à greve do judiciário, a decisão se mantém inalterada. Ele confirma que os documentos foram todos apresentados à Polícia Federal durante as investigações.

SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS