DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

domingo, 1 de maio de 2016

PIZZOLATO: DE DIRETOR DO BANCO DO BRASIL A AUXILIAR DE PEDREIRO

O NOVO DIPLOMA DE PIZZOLATO
Ex-mandachuva da poderosa diretoria de Marketing do Banco do Brasil, o mensaleiro-fujão Henrique Pizzolato, condenado a 12 anos e 7 meses de cadeia, tem uma nova formação profissional. Pizzolato conseguiu o diploma de auxiliar de pedreiro no início deste ano, depois de cursar 180 horas de aula no Complexo Penitenciário da Papuda, por meio de um convênio com o Centro de Educação Profissional (Cened).
Nada indica que o ex-sindicalista pretenda começar uma nova carreira aos 63 anos. Pizzolato estudou entre os dias 18 de novembro e 7 de janeiro para reduzir sua pena no cárcere. Conseguiu o perdão de quinze dias. E está prestes a poder deixar a cadeia durante o dia. Ele também passou a trabalhar na biblioteca da Papuda, a dar aulas de italiano e alfabetizar outros presos, conforme relatório de inspeção do Ministério Público obtido pelo site de VEJA. Dedica-se à leitura e faz caminhadas matinais. A cada três dias de trabalho, ele reduz um da pena. O advogado de Pizzolato, Hermes Vilchez Guerrero, já deu entrada no pedido de progressão ao regime semiaberto.
"Ele tem bom comportamento, estuda e está trabalhando. Agora estamos na expectativa", disse o criminalista. Condenado no julgamento do mensalão por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro em 2012, ele fugiu para a Itália, onde foi preso em fevereiro de 2014. Depois de apelações a cortes administrativas e judiciárias, terminou extraditado ao Brasil em outubro de 2015. Desde então, Pizzolato divide com o também mensaleiro Ramon Hollerbach a cela número 1 da Ala dos Vulneráveis do Centro de Detenção Provisória da Papuda. Pizzolato mantém bom relacionamento com Hollerbach e outros presos.
Os mensaleiros dividem uma cela com beliches, janelas, banheiro próprio equipado com chuveiro elétrico. O ambiente é descrito pelo Ministério Público como "satisfatório", espaçoso e bem iluminado. Ele costuma receber visitas da irmã às sextas-feiras e também tem espaço reservado para visita íntima. Na Ala dos Vulneráveis, que reúne presos com idade avança e alguns alvos de operações como Zelotes, o tempo diário de banho de sol costuma ultrapassar as duas horas regulamentares. O Supremo Tribunal Federal determinou que os dois períodos em que o petista ficou detido provisoriamente na Itália fossem descontados da pena - foram 518 dias ao todo. A defesa também quer agora que a Justiça reconheça a remição do tempo em que ele estudou e trabalhou na Itália.
De acordo com os últimos cálculos da Vara de Execuções Penais do Distrito Federal, Pizzolato já cumpriu um ano e dez meses de prisão em regime fechado. A pena só se extinguirá em 2 dezembro de 2026, mas Pizzolato poderá progredir para o semiaberto em 7 de junho deste ano e obter o livramento condicional em 12 de julho de 2018. Ele teve de pagar multa de 2.054.585,89 reais.

HENRIQUE PIZZOLATO, EX-DIRETOR DE MARKETING BANCO DO BRASIL, CONDENADO NO PROCESSO DO MENSALÃO, DEIXA A PRISÃO DE MODENA, NA ITÁLIA, NA TERÇA-FEIRA (28)
MSN-NOTÍCIAS

Postar um comentário

SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS