DE MACURURÉ NA BAHIA PARA O MUNDO!

terça-feira, 22 de março de 2016

POLÍCIA FEDERAL INDICIA MÁRIO NEGROMONTE (PAI), MÁRIO NEGROMONTE JR (FILHO), E ROBERTO BRITO POR CORRUPÇÃO

A Polícia Federal indiciou os deputados federais baianos, Mário Negromonte Júnior (PP-BA) e Roberto Britto (PP-BA). Além deles o ex-ministro de Cidades e atual conselheiro do Tribunal de Contas da Bahia, Mário Negromonte também foi indiciado. Todos foram indiciados por corrupção passiva qualificada, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A Mario Negromonte Júnior também foi imputado crime de ameaça. A PF aponta que ele tentou obstruir as investigações da Lava Jato, ‘fazendo ameaça velada à integridade física do ex-deputado Luiz Argolo e seus familiares na tentativa de evitar que ele fizesse acordo de delação premiada’.

Minutos antes de receber a informação do indiciamento, o deputado federal Mario Negromonte Junior (PP) acompanhava a reunião da comissão especial que a analisa o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff.  Ele havia dito à reportagem do Bocão News que estava tranquilo, assim como o pai, conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios, Mário Negromonte.  Mal sabia ele que pouco tempo depois a tranquilidade acabaria.

Após sair da sala onde aconteceu a sessão da comissão, Mário falou com a reportagem novamente afirmou que não sabia do que se tratava ainda que consultaria os advogados para tomar pé da situação.

Conforme o Diário do Poder, a polícia concluiu que eles receberam reiteradas vezes entre 2006 e 2014 propina proveniente de contratos da Petrobrás com as empresas Braskem/Odebrecht, Queiroz Galvão, Jaraguá Equipamentos, Mendes Junior e Andrade Gutierrez. O esquema era operado pelo doleiro Alberto Youssef, delator da Lava Jato e um dos personagens centrais da Lava Jato.
Mario Negromonte era líder do PP e participava, segundo a PF, de uma organização criminosa, que ao longo de 8 anos movimentou a cerca de R$ 500 milhões ’em recursos efetivamente desviados da Petrobrás’, por meio de doações eleitorais fraudulentas, repasses em espécies e custeio de despesas pessoais dos envolvidos e a terceiros a eles ligados.

As investigações da PF identificaram que os responsáveis pelas empreiteiras além de pagarem propina em espécie aos envolvidos de R$ 300 mil, em média, por mês para cada um, também realizavam depósitos em contas correntes de pessoas por eles indicadas. 


Com informações de Luiz Fernando Lima
Por Redação Bocão News
Postar um comentário

SEGUIDORES DO BEIRA RIO NOTÍCIAS